Rio de Janeiro, RJ, Brasil

ANEDEB recebe especialista internacional em cibersegurança durante evento inaugural no Palácio Itamaraty

O evento inaugural da Associação Nacional de Empresas Desenvolvedoras de Blockchain (ANEDEB), realizado no último dia 22 de agosto, no Palácio Itamaraty, no Rio de Janeiro, reuniu importantes nomes de instituições e empresas, nacionais e internacionais, para falar sobre a questão da cibersegurança no Brasil. O encontro contou com a presença do especialista internacional Rafael Narezzi para falar sobre o Blockchain como uma estratégia de proteção na segurança digital.

Narezzi é estrategista de defesa cibernética com mais de 20 anos de experiência e diretor na Europa da HybridWallet. Trabalha especialmente com o setor financeiro, no qual a segurança dos dados é primordial, é o Chief Technology Officer (CTO) da 4CyberSec e atua como consultor sênior para uma organização multinacional de segurança de defesa, que fornece assessoria de segurança de ponta a ponta para o nível C-Suite. Mestre em computação forense, cibersegurança e contra-terrorismo pela Northumbria University do Reino Unido, Rafael também é representante da ANEDEB na União Europeia. No último ano, Rafael marcou presença em grandes eventos de diferentes países ao redor do mundo: Inglaterra, Portugal, República Checa (Praga), Brasil, Singapura, Alemanha (Berlim) e EUA.

O evento, que foi o primeiro de um ciclo de palestras internacionais que a entidade pretende promover nos próximos meses, contou com a presença, dentre outros convidados, do Embaixador Eduardo Prisco Paraiso Ramos, chefe da Representação do Itamaraty no Rio de Janeiro; da diretora da ANEDEB em Portugal, Maria Alice Medina; do assessor da diretoria da ANEDEB, Luiz Guilherme Dias; do presidente do Conselho Multicrédito, Carlos Valdesuso; do Diretor de Pesquisa da ISACA-Sistemas de Informação, Homero Carreiro; além de representantes de instituições públicas, como a Secretaria de Fazenda do Município do Rio de Janeiro, e de advogados, economistas e consultores de TI.

De acordo com o presidente da ANEDEB, Epílogo de G. Campos Jr., “o evento serviu como um canal para agregar conhecimento e informação, a fim de quebrar um paradigma que se apresenta no século 21. Nós temos de estar preparados para estimular a criatividade brasileira usando com responsabilidade essa tecnologia que no mundo inteiro já é usada com muito sucesso.”

Epílogo explicou que a associação pretende fomentar essa troca de conhecimento e que contará com o aparelhamento de empresas, apoio de universidades e demais instituições que fazem parte desse universo da tecnologia de informação.

A ANEDEB já desponta com representação em 4 países (Estados Unidos, Inglaterra, Japão e Portugal) e apoio empresarial nacional e internacional, o que permite avançar com maior mobilidade e abrangência de informação.  Segundo seu vice-presidente, Atila Ribeiro Martins, a entidade pretende atuar como um meio de comunicação e representatividade de empresas desenvolvedoras de Blockchain. “Essa é uma semente que estamos plantando que tem tudo para colocar o Brasil e suas empresas em uma vitrine mundial.”

No evento, o presidente Epílogo lembrou que há décadas o Brasil assiste timidamente à integração crescente de países de menor expressão econômica, mas com resultados significativos de emprego e renda através do desenvolvimento de softwares. Segundo ele, o Blockchain tem atraído muitas empresas e entidades financeiras, por isso o Brasil precisará se habilitar para essa nova tecnologia se quiser fazer parte de uma nova economia globalizada. “O nosso país precisa de funcionalidade para a iniciação definitiva na economia global, alargando a nossa fronteira com conhecimento, segurança e responsabilidade”, destacou.

A PALESTRA

Na palestra que deu início a esse ciclo de palestras internacionais, o especialista Rafael Narezzi discorreu sobre os riscos de reputação que empresas brasileiras correm sem um planejamento eficaz contra ciberataques. “Atualmente venho trabalhado mais com o pós-incidente. Isso é resultado da falta de prevenção de empresas e instituições. Elas geralmente me procuram quando o ataque já ocorreu, o que dificulta muito a segurança de dados e de reputação das empresas.”

Para Narezzi, essa é uma cultura equivocada e um grande problema na cibersegurança. “Hoje, se um ataque acontece, leva-se 99 dias para detectar e resolver o problema”, alerta o especialista.

O culpado? Segundo ele não existe um único culpado. As brechas fazem parte da falta de esforço coletivo para evitar riscos e danos. “Empresas brasileiras ainda não compreendem a complexidade segurança. O business ainda não aprendeu a lidar com coisas complexas e tentam simplificar procurando um único culpado, quando na verdade não há.”

Outro ponto destacado por Narezzi foi o custo do investimento em cibersegurança, que, se comparado com os danos de um ataque, pode ser considerado barato. “Sem proteção, corre-se o risco de ter de começar sua empresa do zero.”

Ele lembrou que a economia digital é um caminho sem volta e que já dominou muitos países e setores do mundo. Em Londres, por exemplo, as lojas físicas estão perdendo espaço no mercado varejista, já que e-commerces, como a Amazon passaram a dominar o comércio. Com ela, cresce ainda mais a necessidade de se desenvolver planos de segurança cibernética e o Blockchain é uma das tecnologias que prometem revolucionar os métodos de proteção.

O especialista mostrou como o sistema descentralizado, conhecido como Blockchain, pode ajudar na segurança cibernética, obtendo métodos de autenticação sem a dependência de terceiros. De acordo com Narezzi, se os bancos usassem essa ferramenta, poderiam salvar cerca de 27 bilhões de dólares.

Ele ainda defendeu que as criptomoedas vieram para ficar e que devem conquistar o mercado brasileiro, como já está acontecendo em países da Europa. Elas permitem transações sem taxas, sem intermediários e qualquer um pode possuir uma carteira, o que torna esse novo modelo econômico mais atraente e democrático. Por isso, ele enfatiza, é preciso se atualizar e começar a pensar em mais segurança também, pois com a evolução surgem novos riscos.

 

Por Thábata Mondoni

Mondoni Press – www.mondonipress.com.br

 

Vídeo cobertura:

 

Fotos cortesia de Thábata Monori.

Related articles

Evento ANEDEB: Cyber Security & Blockchain

“Cyber Security & Blockchain” será tema do evento realizado pela Associação Nacional de Empresas Desenvolvedoras de Blockchain (ANEDEB) no dia 22 de agosto, Palácio Itamaraty, no Rio de Janeiro. Em evento organizado pela ANEDEB, Rafael […]

Learn More

ANEDEB presente no “Tokyo September iOS Meetup”

Alexandre Fabri, representante da ANEDEB no Japão e CSO da Dava Tech Group, compareceu ao “Tokyo iOS Meetup”, encontro de desenvolvedores da plataforma Apple, ocorrido em 15/09/2018, sob o patrocínio da Dava Tech Group, Inc., […]

Learn More

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *